sábado, 26 de dezembro de 2015

O Natal em Damasco na procura da paz e da reconstrução da Síria

 
 
Vários foram os correspondentes estrangeiros que puderam testemunhar as festividades de Natal em Damasco
A Síria já sofreu mais um ano de guerra civil devastadora. No entanto, milhares de civis em Damasco foram tentando viver uma vida tão normal quanto possível, celebrar o Natal e descansar torneando o caos.
As coisas não têm sido fáceis para os cristãos que vivem na Síria nos últimos cinco anos, desde o início da guerra. Perseguidos pelo Daesh ou Estado Islâmico, como por outros grupos terroristas, os cristãos em Damasco conseguiram afastar essas nuvens, durante pelo menos um dia.
Dezenas de milhares de pessoas participaram nas celebrações e numa delas encontrou-se uma sensação geral de esperança de que as coisas vão dar uma volta para melhor no futuro próximo.
Havia um espírito ecuménico de celebração que se fosse promovida por muçulmanos se adivinhava poder ter corrido em termos semelhantes.
O exército e a polícia presentes ajudavam à sensação de conforto.
Centenas de milhares de cristãos procuraram refúgio em Damasco devido a perseguição religiosa noutras partes do país e os moradores acolheram os seus compatriotas que foram forçados a sair de suas casas em busca de segurança.
A cena era de alegria e empatia. Bandas de música tocavam, enquanto as crianças estavam vestidas como anjos e eram muitos os chapéus vermelhos de Natal. Alguns muçulmanos também quiseram beneficiar deste espírito de Natal. As pessoas não se importavam se eram sunitas, muçulmanos ou cristãos. Prevalecia, sim, a vontade de celebrar e de recuperar a Síria tal como era e de todos poderem ser o que querem ser.
Os sírios recordam tempos mais felizes antes da devastadora guerra civil, mas ao celebrar festas como o Natal, tentam impedir que o derramamento de sangue e as atrocidades lhes tirem o melhor de si mesmos e provar que pessoas de todas as fés podem ficar juntas e lutar por um Síria unida, com paz e serenidade.