quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Breves sobre a situação internacional


·        Passaram 20 anos sobre a entronização do Panchem Lama, que detém o segundo lugar na hierarquia, logo abaixo do Dalai Lama, na Escola Gelug, a mais influente das quatro escolas principais do Budismo Tibetano. No decurso do acto o Panchem Lama apelou para que o budismo no Tibete se adaptasse aos tempos de hoje.

·         Na mesma altura o Dalai Lama, perante a estupefação geral, apelou ao diálogo com o Daesh.

·         No início da semana, a Turquia invadiu uma parcela do Iraque, sob os protestos das autoridades iraquianas, com o argumento do combate (?) ao Daesh.

·         Os EUA preparam-se para enviar cerca de 10 mil soldados para o Iraque para fornecer apoio a uma força de 90 mil militares dos países do Golfo (Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos, Qatar e Jordânia. O plano foi anunciado ao governo iraquiano durante uma visita do senador americano John McCain durante uma reunião em Bagdad em 27 de novembro. McCain disse o primeiro-ministro Haider Abadi, a membros do seu governo e a autoridades militares iraquianos militares que a decisão era "não negociável", afirmou Hanan Fatlawi, a chefe do Movimento Irada, da oposição. Acrescentou que o primeiro-ministro iraquiano protestou contra o plano, mas que lhe foi dito que " a decisão já estava tomada."

Os EUA têm atualmente cerca de 3.600 soldados no Iraque, incluindo 100 de operações especiais. Barack Obama estará relutante em enviar uma força grande para o terreno, citando o custo em vidas humanas e dinheiro e as possíveis consequências políticas de muitos países interpretarem isso como mais uma invasão ocidental do mundo árabe. O plano de McCain-Graham também apresenta o risco de confronto direto entre a força de “coligação” e a Rússia e o Iraque.

·         A Rússia atacou posições estratégicas do Daesh na Síria com mísseis do tipo “Kalibr” disparados por um submarino no Mar Mediterrâneo. Os objetivos eram dois grandes pontos estratégicos dos terroristas na província de Raqqa, na Síria. Tanto Israel como os EUA foram informados dos planos de atacar as posições terroristas com mísseis a partir do submarino da Rússia. Nos últimos três dias, mais de 300 missões foram feitas por bombardeiros Tu-22 de longo alcance e outras aeronaves russas destacadas para a base aérea de Hmeimim da Síria, atingindo mais de 600 alvos.

·         O presidente chinês Xi-Jinping prossegue, incansável, contactos por todo o mundo, estabelecendo acordos de cooperação. Nos últimos dias, isso aconteceu com a Coreia do Sul, a Austrália. Mas nos últimos meses o mesmo aconteceu com dezenas de países da Ásia, África, América Latina, Europa. A China afirma-se como factor de promoção do desenvolvimento, investimento e transferência de tecnologia, relações comerciais mais justas, com formas de pagamento que não envolvem o dólar e a manipulação dos mercados com ele pelos EUA e grandes multinacionais.

·         O candidato de extrema-direita Ronald Trump fez divulgar que todos os muçulmanos deveriam ser “proibidos sob qualquer forma” de dar entrada no país, incluindo aqueles que pretendem imigrar ou fazer turismo. Anteriormente já afirmara que todas as mesquitas deveriam ser monitoradas, dizendo não se opor à criação de um banco de dados para rastrear os muçulmanos nos EUA.
.

·         O PMDB que tem integrado o governo brasileiro poderá vir a sair depois do controverso presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, do PMDB ter acolhido um pedido de impeachment contra Dilma Rousseff por supostas irregularidades fiscais.

A presidente Dilma pediu hoje ao Congresso para não reabrir apenas em 2 de Fevereiro por se estar a viver uma situação de crise política e económica.

A iniciativa de Eduardo Cunha aconteceu logo depois de deputados do partido da presidente Dilma, o Partido dos Trabalhadores (PT), terem anunciado que votariam pela continuidade do processo de eliminação do mandato de Eduardo Cunha no Conselho de Ética da Câmara, por ser acusado de ter milhões de reais vindos de pagamentos de subornos depositados em contas na Suíça.

·         Os países do BASIC (Brasil, África do Sul, Índia e China), na terça-feira, apelaram em Paris, na Conferência do Clima, para que seja aprovado um acordo um acordo que respeite os princípios da equidade e da responsabilidade, atendendo às características de cada país envolvido.

·         O presidente checo disse que a Turquia não podia ser admitida na União Europeia por ter um “comportamento semelhante ao do Daesh”.