segunda-feira, 24 de junho de 2019

O afastamento da India dos EUA e a aproximação com a China e a Rússia




A Declaração de Bishkek, emitida após a reunião da cimeira de 14 e15 de junho da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) fez uma apreciação positiva à Iniciativa Cinturão e Rota da China: “A República do Cazaquistão, a República do Quirguistão, a República Islâmica do Paquistão, a Federação Russa, a República do Tadjiquistão e a República do Usbequistão reafirmam o seu apoio à Iniciativa do Cinturão e da Rota da China e elogiam os resultados do Segundo Fórum de Cooperação Internacional da Faixa e da Rota (realizado em 26 de abril). ”


Segundo escreveu MK Bhadrakumar no passado 17 de junho de 2019 no Indian Puchline, a Índia manteve-se distante. O comportamento teve a ver com alguma grosseria com que responsáveis indianos trataram dirigentes chineses e o próprio Xi-Jimping
Mas os tempos mudaram. Nem a Índia bloqueou a Declaração de Bishkek, nem outros países membros tentaram empurrar o projeto chinês pela garganta abaixo da Índia. Eles nem precisaram concordar em discordar. O fato é que a condenação do BRI por parte da Índia se reduziu a críticas ao longo do tempo e aumentou progressivamente para um silêncio ensurdecedor ao longo do último ano. O Primeiro Ministro Narendra Modi não prestou atenção ao BRI no discurso que proferiu na cimeira da SCO.
Modi preferiu trabalhar no “Espírito Wuhan”, transmitindo a Xi Jinping na reunião “extremamente frutífera”, que manteve com ele em Bishkek em 13 de junho que no período desde abril do ano passado, a comunicação estratégica entre os dois países “melhorou” a todos os níveis e, nesse contexto, apenas algumas das questões pendentes, como a designação de Masood Azhar como terrorista global, poderiam ser resolvidas.

O transporte comercial através da Rota do Mar do Norte da Rússia

Curiosamente, quando a comunicação social indiana insistia em que são os americanos omnipresentes que mudaram a designação de Azhar para a Índia em ataque a Pequim, Modi deu crédito à comunicação estratégica Índia-China! Os ventos da mudança são palpáveis. Para citar o Secretário de Relações Exteriores Vijay Gokhale, “Então vemos isso (encontro de Modi-Xi em Bishkek) como o início de um processo após a formação do governo na Índia, para lidar agora com as relações Índia-China de ambos os lados num contexto mais amplo, do século 21 e do nosso papel na região da Ásia-Pacífico a este respeito.
A cimeira da SCO tem sido uma grande surpresa. Modi passou a ter dois parceiros - com Xi Jinping e o presidente russo, Vladimir Putin, respetivamente, e eles destacam que as relações da Índia com esses dois países passaram a ser muito fortes. Modi e Xi devem-se reunir três vezes durante os seis meses restantes do ano - além, é claro, da esperada cimeira informal de Xi com Modi no outono (em Varanasi) em data a definir.
Igualmente, Modi aceitou o convite de Putin para ser o convidado principal do Fórum Económico Oriental em Vladivostok, no início de setembro, e os dois líderes também se encontrarão em Osaka na Cimeira do G20 e na Cimeira dos BRICS. Putin também deve visitar a Índia este ano para a cimeira anual e há também algumas conversas no ar sobre outra cimeira “informal”.



Terá ficado pouco evidente fora da cimeira da SCO que as lideranças da Rússia, Índia e China concordaram em ter uma reunião trilateral também no formato RIC, juntamente com as suas cimeiras bilaterais. E o local será em Osaka - à margem da cúpula do G20 (que terá o presidente Trump e onde se esera uma galáxia de líderes ocidentais).

Trump sabe da aproximação à Rússia e à China que, de acordo com os EUA, estão a trabalhar cada vez mais para assumirem poder à escala mundial A cúpula da SCO em Bishkek torna-se assim um momento decisivo na política externa da Índia. Modi molhou os dedos no eurasianismo. O seu desencanto com a "parceria definidora" com os EUA só, em parte, pode  explicar isso. O cerne da questão é que Modi está afastando a diplomacia indiana de sua obsessão pela geopolítica e tornando-a servidora das suas políticas nacionais. Tanto Xi quanto Putin percebem isso.

Segundo a agência Xinhua refere que o encontro de Xi com Modi teve uma abordagem  geoeconómica. Igualmente, um dos destaques da reunião de Putin-Modi foi o convite russo à Índia para se envolver na cooperação no Ártico. Agora, a China também é um país parceiro chave para a Rússia criar uma “Rota da Seda Polar” no Mar Ártico. Pequim anunciou que a China procurará investimentos em toda a Rota Ártica para encorajar o transporte comercial através da Rota do Mar do Norte da Rússia como parte da Iniciativa Faixa e Estrada.

Trata-se, na verdade, de um grande empreendimento que envolve programas de investimento. Segundo um despacho da agência Xinhua sobre o encontro de Xi com Modi refere que fez uma abordagem geoeconómica. Igualmente, um dos destaques da reunião de Putin-Modi foi o convite russo à Índia para se envolver na cooperação no Ártico.
Agora, a China também é um país parceiro chave para a Rússia criar uma “Rota da Seda Polar” no Mar Ártico. Pequim anunciou que a China procurará investimentos em toda a Rota Ártica para encorajar o transporte comercial através da Rota do Mar do Norte dRússia como parte da Iniciativa Faixa e Rota no valor de milhões de milhões de dólares, destinados à ligação entre a Ásia e a Europa por via marítima, para promover mais comércio entre os continentes. 



O Wall Street Journal informou na semana passada que “a China está invadindo de transportes o Ártico por meio de uma joint venture entre a maior transportadora marítima do país, a Cosco Shipping Holdings Co. e a sua parceira russa PAO Sovcomflot para transportar gás natural da Sibéria para os mercados ocidentais e asiáticos. "
O despacho da Xinhua acrescenta: “O novo empreendimento vai transportar gás natural liquefeito do gigantesco projeto Yamal LNG da região norte da Sibéria até uma lista de destinos que incluem o norte da Europa, o Japão, a Coreia do Sul e a China. A iniciativa começará com uma frota de uma dúzia de petroleiros quebra-gelo, e a China Shipping LNG Investment Co., da Cosco, operará com outros nove petroleiros.”

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Gokhale divulgou, numa entrevista à imprensa em Bishkek, que Modi decidiu que a Índia deveria envolver-se com a Rússia na região ártica de petróleo e gás e afirmou “que já começou esse envolvimento. Uma delegação do Ministério do Petróleo e Gás Natural já discutiu com o lado russo no mês passado e isso fez com que os líderes assumissem levar adiante o projeto.” O vice-primeiro-ministro russo e o representante especial do Presidente Putin para a região do Ártico, Yury Trutnev chegaram à Índia em 18 de junho para conversar a esse respeito. O Diálogo Económico Estratégico Indiano-Russo, que por sua vez, é liderado pelo Vice-Presidente do NITI Aayog, será realizado em julho.
É suficiente dizer que o grande quadro que surge de tudo isso é que Modi está ligando os pontos e criando sinergias entre a comunicação estratégica da Índia com a China e a Rússia, respetivamente. É uma estratégia audaciosa, mas contém infinitas possibilidades. Considere o seguinte.
A entente China-Rússia está se desenvolvendo rapidamente como uma aliança. Por outro lado, as relações da Índia com a Rússia não só se recuperaram da negligência da era da UPA, mas estão a transformar-se numa parceria verdadeiramente estratégica em sintonia com o século 21, graças à amizade calorosa entre Modi e Putin. De forma sucinta, a Rússia está em posição privilegiada para ajudar a fortalecer os sinais incipientes do Espírito Wuhan, amadurecendo um entendimento estratégico duradouro entre a Índia e a China como duas potências emergentes com muitos interesses comuns.

O fato de Modi e Xi transpirarem confiança para acelerar as negociações para um acordo de fronteira, só evidencia que o triângulo Rússia-Índia-China se tornou muito dinâmico. Realmente, a cúpula do RIC em Osaka fornece suporte para o entendimento das três potências asiáticas. Certamente o “Ocidente”, não vai gostar do que está a acontecer.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Bom fim de semana, por Jorge


"En la lucha del Bien contra el Mal, 
siempre es el pueblo quien pone los muertos."

"Na luta do Bem contra o Mal, 
os mortos são sempre por conta do povo."

Eduardo Galeano 
jornalista e escritor uruguaio, 
1940-2015