quinta-feira, 7 de abril de 2016

A estação espacial orbital internacional, um exemplo de cooperação

A Estação Espacial Internacional (ISS) é o projeto científico e de engenharia internacional mais complexo da história da humanidade e a maior estrutura que os homens alguma vez já colocaram no espaço.
 
 

Este satélite é um laboratório para novas tecnologias e uma plataforma de observação para a investigação astronómica, ambiental e geológica. Como posto avançado, permanentemente habitado no espaço,  serve como de trampolim para uma maior exploração do espaço. Isso inclui Marte, que, pela sua parte, a NASA elegeu como meta.
A estação espacial voa a uma altitude média  de 400 quilómetros acima da Terra. Dá uma volta à Terra em cada 90 minutos a uma velocidade de cerca de 28.000 quilómetros por hora. Num só dia, percorre a distância que seria necessária para ir da Terra à Lua e voltar. A estação espacial pode rivalizar com o brilhante planeta Vénus no brilho e aparece como uma luz em movimento brilhante no céu noturno. Pode ser visto a partir da Terra, sem a utilização de um telescópio por observadores do céu nocturno que sabem quando e onde a procurar. Se quiser, pode usar a página do Satélite de Rastreio
 
 
para saber como vêr a estação espacial.
Cinco agências espaciais , representando 15 países construíram a estação espacial internacional que custou 100 mil milhões de dólares que continua a operar hoje. A NASA dos EUA,  a Roscosmos da Rússia  (Corporação Estatal de Atividades Espaciais), a Agência Espacial Europeia, a Agência Espacial do Canadá e a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão são os parceiros iniciais do projecto da agência espacial.

Fase da Construção

A fase da construção, começou com alguns módulos russos enquanto portos de atracagem foram lançados directamente para o laboratório em órbita, enquanto outros (incluindo hardware russo) da NASA e componentes internacionais foram deslocados em shutles espaciais dos EUA.
Para assistir à construção clique aqui

Dimensões da Estação Espacial Internacional

A estação espacial, incluindo os seus grandes painéis solares é equivalente  à área de um campo de rugby, incluindo as zonas finais, e pesa 391.000 kg, não incluindo os veículos de visita. O complexo  tem agora  mais espaço habitável do que uma casa de cinco quartos convencionais, e tem dois banheiros, instalações de ginásio e uma janela de sacada de 360 graus. Os astronautas também têm comparado o espaço de vida na estação espacial à da cabine de um Boeing 747 jumbo.

Dimensão da tripulação

Uma  tripulação de seis pessoas  permanece normalmente quatro a seis meses a bordo da ISS. As primeiras equipes eram de três pessoas. No entanto, após o trágico desastre do shutle Columbia, o tamanho da tripulação temporariamente caiu temporariamente para equipes de duas pessoas. A tripulação completa de seis pessoas foi atingida em 2009, quando novos módulos, laboratórios e instalações acoplados.
Também em 2009, o recorde para o maior encontro no espaço foi atingido durante da  missão do vaivém espacial para juntar o Endeavour da NASA STS-127. Quando o Endeavour acoplou a Estação Espacial Internacional, sete pessoas da tripulação do shutle espacial juntaram-se aos seis astronautas já lá residentes. O convívio destas13 pessoas, ao mesmo tempo, foi o maior encontro de sempre no espaço.

Centro de Pesquisa

Com um conjunto completo de seis tripulantes, a estação funciona como um centro de pesquisa completa. Nos últimos anos, a tecnologia, como a impressão 3-D, a imagem autónoma da Terra, as comunicações a laser e mini-satélites de lançamento acrescentaram-se à estação, sendo alguns controlados por membros da tripulação, e outros a partir da Terra. Além disso, existem dezenas de investigações em curso sobre a saúde dos astronautas que ficam na estação por vários meses.
As tripulações não são apenas responsáveis pela actividade científica, mas também pela manutenção da estação. Às vezes, isso requer que se aventurem em passeios espaciais para procederem a rfeparações. De vez em quando estas reparações podem ser urgentes quando uma parte do sistema de amoníaco falhar, o que já aconteceu por duas vezes.

Procedimentos de segurança no passeio no espaço e centros de controle em terra

Foram alterads depois de em 2013 ter ocorrido um incidente potencialmente mortal quando o capacete de astronauta Luca Parmitano ficou cheio de água quando estava a trabalhar fora da estação. A NASA desenvolveu tecnologias para prevenir estes factos e para alterar ou substituir os passeios humanos, como aconteceu com o Robonaut. Um protótipo atualmente a bordo da estação é capaz de virar interruptores e fazer outras tarefas de rotina sob supervisão, e pode ser modificado para trabalhar "fora" também.
Se a tripulação precisar de evacuar a estação, pode voltar para a Terra a bordo de dois veículos da Soyuz russa que estão acoplados à ISS.Os novos tripulantes adicionais são transportados para a ISS pelas Soyuz. Antes da frota de shutles da NASA em 2011 ter atingido o limite de vida útil, os novos membros da tripulação da estação espacial também foram transportados de e para a estação durante missões espaciais. Por volta de 2017, a NASA espera substituir a maioria dos voos Soyuz com naves espaciais tripuladas Dragão da Space X e  Boeings CST-100.
As tripulações a bordo da ISS são assistidas por centros de controle de missão em Houston e Moscovo e um centro de controle de carga útil em Huntsville, Alabama. Existem outros centros de controle de missão internacionais de apoio à estação espacial no Japão, Canadá e Europa. A ISS também pode ser controlada a partir de centros de controle de missão em Houston ou Moscovo.
O ISS alojou a sua primeira tripulação de um ano em 2015/16, com Scott Kelly, da NASA e  Mikhail Kornienko da Roscosmos, o que atraiu a atenção e aclamação internacionais .
As agências têm manifestado interesse em realizar mais missões anuais no futuro, mas não se comprometeram  com datas.