quinta-feira, 17 de setembro de 2015

A vontade está a passar por aqui, e nós vamos dar a volta a isto no dia 4 de Outubro



 
Os portugueses passaram a conhecer melhor a CDU ao longo da pré-campanha e dos debates nas televisões e rádios. E terão ficado com a idéia de que a CDU, ao contrário da generalidade das outras foças políticas, se distingue também por não aparecer só nas eleições. Nestes 4 anos, dia após dia, dirigentes e activistas da CDU, estiveram com trabalhadores, moradores, pais, reformados e muitos outros sectores sociais particulares, em cada canto do país. Apoiando lutas, animando reflexões, perspectivando caminhos e aprendendo, sempre, com cada opinião ou experiência concreta.
Em resultado disso, a CDU vai aumentar a sua votação em 4 de Outubro.

Esta maneira de fazer política oferece confiança. As mulheres e homens da CDU são coerentes. Não são como outros políticos, de promessa fácil que logo não é cumprida. Têm comportamentos éticos no exercício de funções públicas e nas suas vidas profissionais e familiares. Isto não quer dizer que não haja noutros partidos quem assim seja mas a postura desses partidos, como escolas de formação e de atitudes é a da “carreira” política, da promiscuidade entre serviço público e interesses privados, do acesso ao” tacho” e boas remunerações no estado, como trampolim para empresas que beneficiam desses comportamentos no aparelho do estado.

O retirar do homem do centro da economia, como dizia há dias o Papa Francisco, é típico das opções que comandam dirigentes de muitos estados. O trabalho é continuamente desvalorizado, os multi-milionários crescem à medida que a precariedade e a pobreza avançam, as alavancas económicas do país são vendidas vendidas, enfraquecendo a soberania já tão desbaratada no desvario de um projecto dito europeu mas que nos arrasta para o abismo.

As propostas do PCP e da CDU vão em sentido contrário porque este povo e este país vão continuar. São ilusões dizem PSD, CDS e PS. Desilusões são as que se somam uma atrás da outra. E certo que é regra as contra-revoluções sucederem às revoluções mas a vontade está a passar por aqui, e nós vamos dar a volta a isto.

Vamos à campanha e a um grande resultado para a CDU!

Sem comentários:

Enviar um comentário