segunda-feira, 20 de março de 2017

Sobre alguns comportamentos à volta da Operação Marquês

Não me tenho metido nas andanças de falar sobre a Operação Marquês. Respeito a magistratura que se prepara para concluir o seu trabalho. Entendo que só a um, ou aos 28 e, certamente, a outros que poderão ainda vir a sê-lo, arguidos deste processo, devo presunção de inocência até, depois de formuladas as respectivas acusações, serem julgados nos termos da lei e não do bate-boca.
Presumo que as acusações sejam muito graves, depois de lêr o comunicado da Grocuradora Geral da R
epública e seu subsequente esclarecimento sobre interpretações enviesadas do mesmo.
Registo que o Expresso da semana passada sobre este comunicado faltou à verdade quanto à suposta indicação de Joana Marques Vidal de afastamento do Procurador Rosário Teixeira e de que esta tivesse essencialmente criticado a investigação (compare-se o que o Expresso diz, na manchete abaixo e no corpo da prosa de páginas interiores, com a carta da PGR, que se pode obter o site desta).



 Ao longo de todo este processo, com base no argumento do atraso das investigações, que é real mas menor que processos anteriores ( 10 anos da Operação Furacão, por exemplo) e que não pode ignorar a escassez de recursos do Ministério Público de que são responsáveis sucessivos governos, a generalidade da comunicação social fez suas as dores do arguido "principal", a que passou a dar espaço e tempo de antena, guarida e ampliação permanentes, enquanto que o que deu à investigação foi crítico, incluindo ao ataque inaceitável feito, no passado fim-de-semana, pelo arguido e respectivo advogado à Procuradora Geral da República.
Fiquei com a idéia que os termos do ataque revelam desespero na causa e que perderam muitos pontos.
Quanto ao alinhamento e desalinhamentos da comunicação configuram, para mim, opções que leitores, ouvintes e espectadores saberão avaliar agora ou em tempo subsequente.
A investigação vai continuar e a PGR não fixou prazo para o seu final.
As fugas de informação, pelos seus efeitos, não parecem ter uma só origem, É um ferro com que se mata e também se morre.

Sem comentários:

Enviar um comentário