quarta-feira, 8 de março de 2017

No próximo dia 15 na Holanda, a extrema direita vai ser derrotada, o centro e a direita terão menos deputados e os partidos que se reclamam da esquerda subirão significativamente

O bloco centro-direita que governa a Holanda é formado pelo Partido Popular pela Liberdade e pela Democracia (VVD) , de direita, apoiante desta UE,  muito restritivo à imigração e  Partido Trabalhista (PvdA), partido social-democrata, de centro.
Outros partidos holandeses, representados na Câmara Baixa (Tweede Kamer) são:
- Partido da Liberdade (PVV), partido de-extrema direita, conhecido pelas suas posições rígidas sobre a imigração;
- Partido Socialista (SP), partido socialista, de esquerda;
- Apelo Cristão-Democrático (CDA), partido de centro e democrata-cristão;
- Democratas 66 (D66), partido de centro, liberal;
- União Cristã (UC), partido político ortodoxo, reformado, de direita;
- Esquerda Verde (GL): partido político de centro-esquerda, eco-socialista e anticapitalista.
O resultado das próximas eleições vai traduzir-se em reequilíbrios das representações parlamentares, como revelam todas e as mais recentes sondagens (ver gráfico).
 
A política de alinhamento com os burocratas e as políticas de Bruxelas, de degradação dos padrões de vida da classe trabalhadora e reformados e os receios xenófobos irão provocar uma baixa assinalável da votação e representação parlamentar dos dois partidos do governo, o VVD e o PvdA, mesmo que o primeiro ainda possa ser mais votado que o PVV de extrema-direita, contrariando expectativas que tinham sido empoladas pela comunicação social,
Disso beneficiarão o partido de extrema-direita, o PVV, mas que terá votação ligeiramente inferior às penúltimas eleições (nas últimas foi fortemente penalizado por ter provocado a queda de um governo minoritário do VVD, que apoiou na sua criação). A direita e o centro, no seu conjunto, poderão descer de 169 para 105 deputados. Mas beneficiará, no seu conjunto – isso sim – os vários partidos que se reclamam da esquerda (o Partido Socialista, SP, a Esquerda Verde, GL, o PvdD e o Denk que, no seu conjunto, poderão passar de 21 para 38 deputados. A Câmara Baixa, o órgão efectivamente  legislativo. E estas sondagens ainda continham margens de erro que, por exempo, não permitem que a soma dos dois conjuntos de partidos atrás referidos atinjam os 150 que compõem a Câmara.
Portanto, se quisermos falar de viragens, em vez da viragem à direita que nos andaram a vender, e apesar da desproporção entre os dois grupos de partidos,
É evidente que - mesmo que o PVV ficasse como o partido mais votado e com mais deputados, teria dificuldade em encontrar parceiros de coligação, isto porque, aparentemente, até agora, ninguém quer governar com o PVV.
A probabilidade de uma coligação centro-direita ou de centro-esquerda com quatro ou cinco partidos é muito maior.
 
Agradeço a colaboração amiga do Peter Derksen.

1 comentário:

  1. Julgo que os resultados desta sondagem ainda não reflectem os prováveis efeitos da intenção de admitir a existência de uma Europa a várias velocidades, tal como foi anunciado por Merkel e Holland, no final da reunião, em Paris, dos países, que eu designo, pelo Bando dos Quatro (Alemanha, França, Itália e Espanha), e que, no meu ponto de vista, aponta, subliminarmente,para uma Europa mais exclusiva do que inclusiva, que passará também pela criação do euro B, para os países do euro, em dificuldades (Grécia, Chipre e Portugal).

    ResponderEliminar