domingo, 13 de agosto de 2017

Um novo panorama para o Médio Oriente alargado, segundo Thierry Meyssan

O jornalista franco-sírio Thierry Meyssan tem uma interpretação própria sobre Trump e o Médio Oriente alargado, que não compartilho mas que entendo ser interessante conhecer.


Da esquerda para a direita, em cima: o Secretário Geral Sayyed Hassan Nasrallah (do Hezbollah) e o Presidente Bashar al-Assad (Síria). Em baixo, o primeiro-ministro Haider al-Abadi (República do Iraque) , o presidente Michel Aoun (República do Líbano) e o General Mohammed Ali Jafari (comandante em chefe da guarda revolucionária), todos irmãos em armas contra os jihadistas.
A política externa do presidente Trump concretiza-se, m relação ao Médio Oriente alargado, conseguindo com o apoio do conselheiro-geral de segurança nacional, H. R. McMaster e do seu diretor da CIA, Mike Pompeo, acabar com os programas secretos para apoiar jihadistas.
Ao contrário dos subentendidos do Washington Post, de que a decisão fora tomada antes da reunião Trump-Putin no G20, ela foi, de facto, tomada um pouco mais de duas semanas antes, durante a preparação da cimeira de Riyadh, em meados de Maio. Não se tratava de ajoelhar-se perante o "czar da Rússia", como insinuava a classe política de Washington, mas de acabar com o uso do terrorismo, tal como Donald Trump tinha dito declarado durante a sua campanha eleitoral.
As falsas insinuaçõesdo Washington Post encontraram eco em toda a imprensa ocidental. Talvez este facto se deva ao "espírito gregário" dos jornalistas ocidentais, talvez mas o mais certo é que isso mostra que a grande mídia propriedade dos defensores da guerra no Médio Oriente e contra a Rússia.
Revelações búlgaras recentes sobre a existência de uma grande rede de tráfico de armas, criada pelo general David Petraeus, quando este ainda era diretor da CIA, em 2012, e que continuou no seu escritório dos fundos de investimento KKR, mostram alguns resultados surpreendentes sobre o poder dos criadores de guerra.
Dezassete estados, pelo menos, incluindo o Azerbaijão, participaram na operação "Madeira Sycamore" que garantiu o transporte 28 mil toneladas de armas e Israel forneceu os para o seu falso destino final . Com toda a probabilidade, David Petraeus e o KKR foram apoiados pelo Secretário-Geral adjunto da ONU, Jeffrey Feltman. Claro que este tráfego gigantesco, sem precedentes na história pelo seu volume, não dará origem a qualquer processo judicial, nem nos Estados afetados nem no plano internacional.
Há 4 anos que os povos do Levante lutam não só contra Estados, mas acima de tudo contra um consórcio de empresas mutinationales privadas, incluindo meios de comunicação internacionais e os potências de média imensão que dão as ordens para pequenos estados fazerem o trabalho sujo.
No entanto, as dificuldades encontradas por Donald Trump para impor sua vontade sobre a CIA e o Pentágono, bem como a existência desta rede paralela, meia meio pública, meio privada, dão uma idéia da complexidade da sua missão numa ordem mundial subvertida pelos interesses privados.
Num primeiro momento, a ofensiva dos exércitos do Iraque e da Síria para restaurar a Rota da Seda não foi interrompido pelas forças não foi interrompida, apesar de vários incidentes.
A ofensiva lançada pelo Exército Árabe da Síria, com o Hezbollah e em coordenação com o Exército libanês, no Jurd de Ersal é o primeiro resultado visível da nova política de Washington. Embora criticando duramente a presença do Hezbollah, o primeiro-ministro libanês Saad Hariri, a pedido da Arábia Saudita, autorizou o Exército a participar na operação. Esta é a primeira vez que oficialmente os dois exércitos, libaneses e sírios, e a resistência actuam em conjunto. Riyadh, sem desarmar face ao Partido de Deus e ao Irão, considerou ser conveniente trabalhar com o Hezbollah e acabar, em primeiro lugar, com os jihadistas.
Em última análise, esta guerra, que deveria destruir os Estados da região, toma a direcção contrária: a unidade das forças iranianas, iraquianas, sírias e libanesas.

Thierry Meyssan
fonte Al-Watan (Síria), Tradução AA

Sem comentários:

Enviar um comentário