sábado, 14 de abril de 2018

Os mísseis da mentira, por António Abreu

 
 
Não deixa de ser significativo que este ataque de 104 mísseis ocorra no dia em que a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) ia iniciar os seus trabalhos, acordados com a Síria, com vista a investigar neste país, com total liberdade de movimentos, o invocado bombardeamento sírio com armas químicas em Dohua. A Síria já tinha acusado a organização dos "capacetes brancos" de o ter inventado e encenado para espalhar imagens em todo o mundo. Mais de 100 mísseis foram lançados sobre alvos militarese civis na Síria, a maior parte dos quais neutralizados pela força anti-aérea síria.
14 de Abril de 2018
Segundo a RT, Putin afirmou hoje que os EUA e os seus aliados atacaram instalações civis e militares na Síria, violando a Carta da ONU e a lei internacional.
Washington lançou "uma agressão contra um estado soberano que está na vanguarda da luta contra o terrorismo", disse o comunicado do presidente. Putin enfatizou que o disparo dos mísseis não foi sancionado pelo Conselho de Segurança da ONU e foi realizado "em violação da Carta da ONU e dos princípios do direito internacional".
Além disso, a actual escalada tem “um impacto devastador sobre todo o sistema de relações internacionais”. No entanto, a história vai corrigir as coisas, como “já considerou Washington responsável pelos massacres na Iugoslávia. De facto, apo usar a força, Washington está apenas a provocar uma nova onda de solicitações de asilo da Síria e de toda a região.
A Rússia convocu uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para discutir as ações agressivas dos EUA e seus aliados.
14 de Abril de 2018
Damasco, Sana - o Comando Geral do Exército e das Forças Armadas destacou neste sábado que a maioria dos mísseis disparados pelos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França - agressão tripartida - a alvos sírios em Damasco e fora dele - foi abatida.
O Comando Geral anunciou que uma agressão tripartida foi realizada às 03h55 (horário local) pelos EUA, Grã-Bretanha e França, com o disparo de 110 mísseis contra alvos sírios em Damasco e fora dele.
Acrescentou que os sistemas de Defesa Aérea da Síria enfrentaram, com alta competência, os mísseis da agressão e abateram a maioria deles, mas alguns dos mísseis atingiram um dos prédios do Centro de Investigação em Barzzeh, em Damasco, que inclui um centro educativo. centro e laboratórios científicos, afirmando que os danos foram apenas materiais.
Outros mísseis foram forçados a desviar-se das suas trajectórias quando visavam uma posição militar perto de Homs, e causaramfferimentos em três civis.
O chefe do Estadpo Maior das Forças Armadas da Síria prossegue na sua determinação em proteger os seus cidadãos, e reiterou que tal agressão não afectará as forças armadas sírias para continuar a atacat o resto das bolsas terroristas armadas em toda a Síria. E afirma que esta agressão só contribuirá para aumentar a determinação do povo sírio em defender a sua soberania, a dignidade e a segurança da pátria e dos cidadãos.
12 de Abril de 2018
Damasco Countryside, SANA
O Exército Árabe Sírio descobriu depósitos de munições e materiais explosivos, incluindo da Arábia Saudita, durante as operações de varredura na cidade de Zamalka, no leste de Ghouta.
Falando à SANA, um comandante de campo disse que uma unidade do exército descobriu materiais explosivos, alguns deles fabricados na Arábia Saudita, e equipamentos projetados para os misturar com materiais altamente explosivos como o C4 e cloro para aumentar a capacidade destrutiva das bombas e infligir com o maior dano possível entre civis e em áreas residenciais.
O exército também descobriu vários depósitos que foram usados para armazenar grandes projecteis importados de países que apóiam o terrorismo, além de foguetes, incluindo foguetes Grad disparados sobre bairros residenciais em Damasco, disse o comandante, acrescentando que as instalações descobertas também continham prisões, onde prisioneiros foram forçados a trabalhos forçados.
O comandante acrescentou que os terroristas de "Failaq al-Rahman" transformaram um dos bairros de Zamalka num complexo militar, no qual construíram uma fábrica para fabricar a estrutura externa de mísseis e dispositivos explosivos, munição leve e moderada e tanques de reciclagem. em IEDs (artefactos explosivos improvisados).
Os terroristas, de acordo com o comandante, ligaram a fábrica e os depósitos à rede de túneis, acrescentando que foram encontrados documentos que mostram os métodos de recepção e entrega entre “Failaq al-Rahman" e o "Jaish al-Islam” (outro dos grupos terroristas que foram derrotados em Goutha) e os meios de preenchimento de materiais explosivos. e carros-bomba.
12 de Abril de 2018
Nova York, SANA- O representante permanente da Síria nas Nações Unidas Bashar al-Jaafari, disse que o governo sírio facilitará o acesso da equipe da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW) a qualquer ponto a que queiram ir em Douma - bairro de Goutha oriental onde a França invocou, na véspera do ataque de nter provas de um ataque sítio com armasquímicas .
Nesta 5ª feira, al-Jaafari disse que a OPCW informou o governo sírio que enviaria uma equipe à Síria, cujos membros chegariam na quinta e na sexta-feira.
Al-Jaafarin fez notar que qualquer atraso ou confusão nesta visita seria resultado de uma pressão política praticada na OPCW pelos EUA, Reino Unido, França e seus aliados para impedir a visita dos especialistas.
Falando sobre o início do trabalho dos especialistas, al-Jaafari disse que “Quando começarão a trabalhar? Esta questão é da iniciativa deles e estamos prontos para acompanhá-los onde quiserem e a qualquer momento, quando a primeira parte da equipe chegar a Beirute ”.
O diplomata sírio destacou que há termos de referência acordados entre o governo sírio e a OPCW, a serem aplicados no tratamento de casos como este.
Em resposta a uma pergunta sobre quem usou produtos químicos na Síria, al-Jaafari disse que “nós já dissemos isso várias vezes. Foram os terroristas. Eles têm substâncias químicas que formam o stock da Líbia há muito tempo e que a chegada dessas substâncias foi facilitada pelos serviço secretos turco, saudita, americano e francês. Contrabandearam produtos químicos da Líbia para Istambul em companhias aéreas civis e a pessoa responsável pelo contrabando desses materiais foi Haitham al-Qassar [milionário do Kuwait, co- administrador de empresas de media, petróleo, seguros, banca, infraestruturas, pipe-lines, turismo, etc.] ”
O diplomata firmou que a política britânica é parte do problema e não parte da solução, acrescentando que a Grã-Bretanha levou os EUA atrás de uma história com vista a empreender aventuras em guerras falhadas. E que, portanto, a Síria não presta atenção ao que o governo britânico possa dizer, porque já sabe que a Grã-Bretanha está a pressionar a escalada, uma maior complexidade na situação internacional e a trabalhar contra a paz e a estabilidade no mundoi.
Quanto à posição dos EUA quando couber a Síria assumir a presidência da Conferência sobre Desarmamento, al-Jaafari disse que “não cabe aos EUA, Reino Unido ou França determinar quem será e quem não será o presidente da conferência. Nós presidiremos a esta conferência quando chegar a nossa vez. ”

Sem comentários:

Enviar um comentário