domingo, 21 de outubro de 2018

O assassinato do jornalista saudita do Washington Post vai alterar em alguma coisa as relações dos EUA com a Arábia Saudita?

Apesar do grande suspense sobre o futuro das relações entre os EUA e a Arábia Saudita não se esperam grandes alterações nelas. Os dois países estão há muito ligado entre si por se completarem estrategicamente na cena mundial. A questão agora é, face ao repúdio universal do crime cujos contorno vão sendo conhecidos, os EUA acordarem com a Arábia Saudita uma interpretação do ocorrido que deixe de fora as responsabilidades do reino de Saud.
Em 2 de outubro, Khashoggi foi ao consulado saudita para obter os documentos necessários para que ele se pudesse se casar com a noiva turco; não foi visto desde então. As autoridades turcas acusaram Riad de matar Khashoggi, um fervoroso crítico do príncipe herdeiro saudita, o que este último negou veementemente. No entanto, à medida que surgem mais provas, parece difícil para Riade negar qualquer envolvimento.


Mas, apesar das duras advertências e ameaças trocadas entre Washington e Riade, é improvável que esse incidente cause grandes desajustes nas suas relações, embora certamente isso tenha um impacto no seu relacionamento no curto prazo. Como a base para a aliança estratégica entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita continua sólida e mutuamente benéfica, a sua relação bilateral interdependente permanecerá fundamentalmente inalterada. Mike Pompeo partiu para Riade na passada terça-feira para dar os retoques no cenário do crime perpretado pelos seus amigos e torná-lo credível para os amigos da NATO e da EU.

 Em concreto, a importância da Arábia Saudita para os EUA é a seguinte.
Em primeiro lugar, a Arábia Saudita desempenha um papel fundamental no mercado energético mundial por meio de sua cooperação com os EUA. Enquanto a administração Trump pretende cortar as exportações de petróleo do Irão, espera que a Arábia Saudita vá compensar a escassez, e, assim, a sua parceria se tornou ainda mais importante.
Em segundo lugar, a Arábia Saudita continua a ser um importante aliado dos EUA na sua luta contra concorrentes e rivais, incluindo o Irão. Em particular, os EUA podem manter a sua cooperação militar e de segurança com outros pequenos países árabes na região do Golfo, em virtude da influência da Arábia Saudita.
Em terceiro lugar, sem que a opinião pública saudita estivesse a seu favor e sem o apoio financeiro da Arábia Saudita, os Estados Unidos dificilmente poderiam apresentar-se como intervenientes em processos de paz no Médio Oriente.
Em quarto lugar, como um importante parceiro comercial dos EUA e comprador de armas, bem como um dos seus principais países credores e principais parceiros financeiros, a Arábia Saudita desempenha um papel essencial para ajudar a manter o emprego e a estabilidade económica nos EUA.
Em Quinto lugar, a Arábia Saudita ajuda a promover o intercâmbio entre os EUA e o mundo islâmico em geral.


 Mas os EUA também são essenciais para a Arábia Saudita.



Primeiro, os EUA fornecem um forte impulso para a modernização da Arábia Saudita e da sua indústria de petróleo.
Segundo, os EUA continuarão a ajudar a Arábia Saudita a manter a estabilidade económica e o desenvolvimento.
Terceiro, como uma protegida dos EUA, a Arábia Saudita pode resistir melhor à pressão do Ocidente e evitar uma "revolução de cores" que os EUA foram tão pressurosos a instigar noutros países árabes.
Quarto, os EUA é o melhor mercado de investimento para o enorme fundo soberano da Arábia Saudita.
Quinto, os EUA podem ajudar o reino do petróleo a melhorar os seus direitos de discurso e poder normativo internacionais. Por meio de sua aliança com os EUA, a Arábia Saudita pode manter um status internacional que supera a sua força nacional geral para verificar e equilibrar suas relações com outras grandes potências.

Olhando para trás, para o relacionamento EUA-Arábia Saudita nos últimos 70 anos, até mesmo grandes eventos, incluindo os ataques terroristas de 11 de setembro nos EUA em 2001, não abalaram as bases para a cooperação. O assassinato do jornalista só irá adicionar um pouco de atrito temporário ao relacionamento. Apesar disso, a Casa Branca está sob forte pressão para pressionar Riade e o Partido Democrata dos EUA certamente aproveitará a oportunidade para atacar o governo Trump por ignorar o "mau" histórico de direitos humanos de um país, especialmente quando a eleição de meio de mandato está próxima (esquecendo o forte aliado que, apesar disso, Barack Obama foi para si .
 
No entanto, o incidente não exercerá muita influência nas eleições intercalares, em comparação com o desempenho económico dos EUA e com o crescimento do emprego.
O incidente terá um impacto negativo na relação entre a Arábia Saudita e a Turquia, até certo ponto. Os dois países têm estado em desacordo muito antes disso, como resultado de divergências sobre a Irmandade Muçulmana, Catar e Síria. Mas mesmo assim, a Turquia e a Arábia Saudita criaram um grupo de investigação para analisar conjuntamente o caso.
Independentemente do boicote da conferência Future Investment Initiative em Riade, também chamada de "Davos in the Desert", o incidente também não deverá ter grande impacto na economia da Arábia Saudita ou no preço do petróleo enquanto a relação EUA-Arábia Saudita continuar geralmente estável.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário